segunda-feira, 16 de julho de 2007

Soraya

(Para o Bruno)

A primeira vez que parei o mundo foi quando conheci Soraya.

Estava em um congresso, e até então só tinha visto uma foto dela. Foi um amigo em comum que me mostrou a foto, e prometeu que éramos feitos um para o outro. Eu, que estava soltinho e já em liquidação total, acreditei e me apaixonei quase que instantaneamente. Contei os dias até o congresso, quando finalmente conheceria Soraya. Sabia que ela estaria lá, pois ela participava da organização, mas o amigo não pôde ir para nos apresentar. Cansado de esperar por uma intervenção divina, decidi dar uma mãozinha ao destino. Passei horas vasculhando os rostos de todas as moças presentes em busca da figura que vira na foto. Nada. Inconformado, decidi recorrer à mesa de informações. Fui até uma moça com uma prancheta na mão e perguntei por Soraya Campos. A moça, muito solícita, apontou-a para mim. É aquela ali, ó!. Aquela onde? Aquela, bem na frente. Olhei, olhei e não acreditei. Ali, ó, não tá vendo? Aquela de blusa branca e saia jeans.

Foi nesse momento que o mundo parou. Parou por alguns minutos, horas, dias, não sei dizer. O mundo parou no exato tempo de duração da frase "Aquela, de blusa branca e saia jeans". Pode parecer coisa pouca pra você, que não estava lá. Mas "aquela, de blusa branca e saia jeans", é uma frase emblemática na minha vida, que ecoou por todo o mundo durante o tempo em que ele parou. Repetiu-se inúmeras vezes, e eu a ouço até hoje. Em câmera lenta.

"A q u e l a , d e b l u s a b r a n c a e s a i a j e a n s . . ."

Eu tentei fechar os olhos, tapar os ouvidos, abrir um buraco no centro da Terra e me enfiar lá, mas antes que pudesse decidir o que fazer, o mundo voltou a girar.

Bem na minha frente, estavam umas vinte mulheres. Dezenove de preto. Uma de saia jeans e blusa branca. Duas eram lindas, cinco eram bonitinhas e outras doze eram normais. Uma estava de blusa branca e saia jeans.

Ainda a vejo em meus pesadelos.
Sempre de saia jeans e blusa branca.
Acho que aquele "amigo" não gostava muito de mim.

"Eu queria ter um lança-chamas
Eu queria ter uma fogueira
Eu queria ter somente um fósforo
Eu queria ter uma vela acessa
Pra queimar Soraia
Pra ver torrar seu couro
Pra deixar somente o osso exposto ao sol
E depois da meia-noite
Soraia vai voltar
Ela vem toda queimada
Se vingar, se vingar
Eu quero ver
Soraia Queimada
Soraia Queimada
Porque Soraia me queimou
Eu queria ácido sulfúrico
E um litro de alcóol tubarão
Eu queria uma tocha iluminada
Pra deixar Soraia igual carvão
E depois da meia-noite
Soraia vai voltar
Ela vem toda queimada
Se vingar, pode vir! ,se vingar.
Eu quero ver
Soraia Queimada
Soraia Queimada
Porque Soraia me queimou
E doeu..."

(Soraia Queimada, do Zeu Britto)

Um comentário:

Bruno disse...

kkkkkkkk.....sem palavras!!!, vc eh melhor, muito melhor q a Marta Medeiros........geeeeeeenteeeee kkkkk