quinta-feira, 30 de agosto de 2007

Tarja Preta

Às vezes eu tenho certeza de que, se eu conseguisse acabar com meus amigos imaginários, ia descobrir que um dos dois não existe: o mundo ou eu.

3 comentários:

Fernanda disse...

É muito estranha essa relatividade que existe nas relações humanas, e nas relações do homem com o mundo.É tipo aquela história que diz que se uma árvore cair mas ningúém estivber ali pra ouví-la, ela na verdade não caiu.Ou ela nunca existiiu.Aí já entramos no campo das divindades: se Deus não pode ser visto, quem me garante que ele não é um produto da minha imaginação, ou de instinto de sobrevivência, ou paranóia coletiva?
A premissa de Newton "penso,logo existo" também faz o cabeção pirar.E aí vc diz que se não tivesse amigos imaginários, se você não estivesse ali imaginando eles, ia descobrir algum relance da realidade, algum produto de relativismo: ou você não existe (porque vc pode ser tão imaginária quanto seus amigos) ou o mundo, pq vc cria amigos imaginários pq não se relaciona com o mundo lá fora.
Mas aí vem a questão: em relação ao que vc sente nesse momento, afirmando isso que vc disse, esses fatos e idéias todas se relacionam?

Adorei os comentários no blog.
Fato, sorrir de porta aberta é sorrir com a magnificência de uma tarde de sol.
Se eu consegui extrair você de mim mesma, quer dizer que nesse espaço virtual que é a internet, e nesse espaço real que é o mundo, capturei uma essência de alma que parece com a minha, e isso me faz feliz,sim!;)

Beijos!

Adrielly disse...

Amei " Abrigo "
SEm noção.

Ainda tento
acabar com os amigos imaginários
mas se formos acabar com todas as coisas
que são imaginárias talvez o mundo
fique sem graça ou aí sim não existiriam
os sonhos, os laços imaginários que
nos ligam as pessoas queridas, nem os amigos imaginários que tanto nos
divertem na infância e nosacompanham
na adolescencia.

=* adorei

Nina disse...

Sendo que o mundo não existe, automaticamente a gente deixa de existir, e vice-versa...

De qualquer maneira você vai ter razão.

=/