terça-feira, 25 de setembro de 2007

Implicância

Pego linha e agulha
pra me costurar em você...

Você já chega com a tesoura!

Perco então o fio da meada
e me enrolo.
Peço ajuda à desatadora de nós,
nossa senhora,
que me ensine a desatar-nos!

Começo a tecer uma colcha
de momentos.
Espalho as lembranças,
entrelaço-as cuidadosamente...
Depois de muito trabalho,
estendo a colcha no chão
pra você passar.

Mas você voa e nem vê!

Desisto,
não quero mais saber!
Dobro nosso memorial
com desvelo revoltado
e o acomodo em um baú,
que tranco a cadeado.
A chave, jogo fora...

E você a pega no ar!

3 comentários:

Cacau disse...

Lindo poema! Parabéns!

Quem me dera que "alguém" pegasse no ar a chave do meu baú...

Adrielly disse...

Então fica com o baú pra você já que pegou a chave no ar,
porque as coisas que têm dentro
eu já me cansei ver, viver, conviver.

=~~

Comentário nada a ver mas ...



=*

Fernanda disse...

Vixe que relacionamento mais enrolado! Esse vai dar trabalho, com certeza! Boa sorte! E muito coração, pra saber levar.